28/09/22: Semana de eventos sobre os 30 anos do Massacre do Carandiru é organizada pela OAB-SP com apoio de dezenas de organizações

Em 2 de outubro, domingo, chega-se à marca de exatas três décadas do Massacre do Carandiru, um dos episódios mais brutais já ocorrido no sistema prisional brasileiro, que resultou na morte de ao menos 111 homens à época presos no Complexo do Carandiru, em São Paulo.

A partir de segunda-feira, 3, inicia-se uma série de eventos presenciais, em uma programação gratuita e com diferentes opções a cada dia, que segue até o sábado, 8, organizada pela Seccional São Paulo da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB-SP), por meio de sua Comissão de Política Criminal e Penitenciária, com apoio de dezenas de organizações da sociedade civil e movimentos, dentre eles o Núcleo de Estudos da Violência da USP.

Logo na abertura da semana, em atividade realizada na manhã do dia 3, na Câmara Municipal de São Paulo, Paulo Sérgio Pinheiro, cofundador do NEV, marca presença na mesa intitulada “Inventário do Massacre do Carandiru”. A atividade conta com as presenças de Marina Dias, Presidente da Comissão de Política Criminal e Penitenciária da OAB-SP, Maria Laura Canineu, diretora do escritório Brasil na Divisão das Américas da Human Rights Watch, Maíra Rocha Machado, Professora que coordena o projeto “Carandiru não é coisa do passado” no Núcleo de Estudos sobre o Crime e a Pena da Faculdade de Direito da FGV-SP, Maurício Monteiro, sobrevivente do Massacre e fundador do canal no Youtube “Prisioneiro 84.901”, Deise Benedito, ex Perita do Mecanismo Nacional de Prevenção e Combate à Tortura, e Belisário dos Santos Jr., membro da Comissão Internacional de Juristas e Fundador da Comissão Arns.

Destaca-se também, pelo NEV, mesa de debates realizada na quinta-feira, 6, às 9h30, na Cidade Universitária, campus Butantã da USP, intitulada “Vidas interrompidas: Juventudes e o Encarceramento em Massa”, mediada pela Vice-Coordenadora do NEV, Bruna Gisi, contando com a participação de Nice Couto, Maria Cristina Gonçalves Vicentin, Lucelia Maria da Silva, João Marcos Buch, Priscila Naves Tardelli e Aline Santiago da Cruz. A atividade acontece no Departamento de Sociologia e Filosofia da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, no Auditório 08.

No sábado, no período da tarde, a programação será encerrada com uma atividade ao ar livre, no Parque da Juventude, em São Paulo.

Para saber mais e se inscrever, gratuitamente, em cada uma das atividades, é preciso acessar os links no sistema “Sympla”, conforme indicados a seguir:

Mesa 1: Inventário do Massacre do Carandiru, segunda-feira, dia 3/10, 9h30, Câmara Municipal de SP (saiba mais e se inscreva)

Mesa 2: Exibição e debate sobre o filme “Deus e o Diabo em Cima da Muralha”, segunda-feira, dia 3/10, 18:30, na OAB SP – Sede Secional (saiba mais e se inscreva)

Mesa 3: (In) Visibilidade do Sistema Carcerário: o que mudou desde o Carandiru?, terça-feira, dia 4/10, 9h30, na OAB SP – Sede Secional (saiba mais e se inscreva)

Mesa 4: Cine-Debate: Filme: Bagatela, terça-feira, dia 4/10, às 19h, no CDHEP – Centro de Direitos Humanos e Educação Popular de Campo Limpo (saiba mais e se inscreva)

Mesa 5: Aspectos Contemporâneos sobre Sistema Prisional e Violência Policial/Estatal, quarta-feira, dia 5/10, no Memorial da Resistência de São Paulo (saiba mais e se inscreva)

Mesa 6: Cine-Debate: Filme: Prisioneiro da Grade de Ferro, quarta-feira, dia 5/10, 18h, no Largo São Francisco (saiba mais e se inscreva)

Mesa 7: Vidas interrompidas: Juventudes e o Encarceramento em Massa, quinta-feira, dia 6/10, 9h30, no campus Butantã da USP (saiba mais e se inscreva)

Mesa 8: Cine-Debate – Filme “Sem Pena”, quinta-feira, dia 6/10, às 19h, na Ocupação 9 de Julho (saiba mais e se inscreva)

Mesa 9: Justiça Restaurativa como Ferramenta para a Construção do Futuro, sexta-feira, dia 7/10, às 10h, no Largo General Osório, 66 – Santa Ifigênia (saiba mais e se inscreva)