Entidades da sociedade civil manifestam preocupação com edital da PMESP que precariza o programa de câmeras corporais

23/05/2024

Leia texto de nota conjunta que o NEV/USP subscreve. Acesse a íntegra ao final.

O projeto de câmeras corporais acopladas ao fardamento dos policiais, implementado pela Polícia Militar do Estado de São Paulo (PMESP) em 2020, representou um passo importante na profissionalização da corporação ao ampliar a transparência, proteger o policial de falsas denúncias, produzir provas para o sistema de justiça e reduzir os níveis de uso da força letal. Parte do sucesso alcançado pelo Programa Olho Vivo se deve ao trabalho minucioso da equipe da própria corporação, originalmente responsável pelos estudos e pela implementação da proposta.

Diante disso, chamamos a atenção para o edital de licitação 15/2024, divulgado pela PMESP em 22 de maio de 2024, visando a substituição das câmeras corporais atualmente em operação. Sob o discurso da ampliação e integração dos equipamentos a outras plataformas operacionais, o edital altera radicalmente o bem sucedido programa iniciado quatro anos atrás e coloca em risco, exatamente, o que fez do programa uma das experiências mais bem sucedidas de compliance da atividade policial e com maior impacto no mundo todo.
(…)

Melhorias tecnológicas e economia de recursos públicos são essenciais para aprimorar as políticas públicas de segurança. Ao prever câmeras que apenas podem ser acionadas após uma decisão discricionária do policial (ainda que remotamente pelo gestor), que não gravam ininterruptamente e ainda incorporam outras funcionalidades como leituras de placas veiculares e identificação de pessoas, a PMESP gera desconfianças sobre a manutenção do programa. No final das contas, o Programa Olho Vivo deve se transformar em uma ferramenta operacional e de vigilância que poderá, inclusive, acabar sendo utilizada contra os interesses do próprio cidadão paulistano.

 

Clique para baixar a nota completa | Leia a versão da nota para a imprensa

 

Assinam a nota:

Centro de Direitos Humanos e Educação Popular (CDHEP)
Centro de Estudos de Segurança e Cidadania (CESeC)
Comissão Arns
Conectas Direitos Humanos
Grupo de Estudos de Novos Ilegalismos (GENI/UFF)
Fórum Brasileiro de Segurança Pública
Iniciativa Negra por uma Nova Política de Drogas
Instituto Fogo Cruzado
Instituto Igarapé
Instituto Mundo Aflora
Instituto Sou da Paz
Instituto Terra, Trabalho e Cidadania (ITTC)
Instituto Vladimir Herzog
Movimento Mães de Maio
Núcleo de Estudos da Violência da Universidade de São Paulo (NEV/USP)
Plataforma Brasileira de Política de Drogas
Plataforma Justa
Rede de Proteção e Resistência Contra o Genocídio

 

Notícias relacionadas

NEV/USP disponibiliza nota técnica apresentada a processo no STF sobre uso câmeras corporais pela polícia em SP

Nota conjunta | Organizações expressam preocupação com desmonte do programa de câmeras corporais após declarações do governador de São Paulo